Robôs dominam o tráfego digital das teles norte-americanas

Compartilhe essa matéria

Estudo revela que mais de 76% do tráfego, na internet, de operadoras de telecom nos EUA é formado por Bots. Em contrapartida, o setor de finanças (bancos, cooperativas, seguradoras etc.) apresenta os menores índices de tráfego automatizado
Robôs dominam o tráfego digital das teles norte-americanas

Descobertas do estudo “Bots Statistics Report H1 2023” , aponta que somente em abril, 76,6 % de todo o tráfego automatizado analisado pertencia às cinco grandes operadoras de telecom dos EUA. A análise construída ao longo do primeiro semestre do ano mapeia o quanto o tráfego de empresas de todas as verticais da economia é formado por Bots (robôs) e por acessos humanos.

O relatório que analisa o que se passa no mercado norte-americano revela que o setor de telecomunicações é o que conta com a maior penetração de tráfego automatizado. Isso inclui Bots “do bem”, como ChatBots, e Bots maliciosos que realizam ataques cibernéticos mal-intencionados.

Segundo o documento, identificar esses diferentes Bots e, quando necessário, bloquear os acessos indevidos é crítico para elevar a experiência dos usuários das redes das operadoras de telecom. “A visibilidade sobre os Bots contribui, também, para que as operadoras otimizem sua infraestrutura de rede, evitando consumir links com Bots ilegítimos”, ressalta Kleython Kell, Solutions Engineer da F5 Brasil.

Kleython Kell explica que o “Bots Statistics Report H1 2023” é um relatório 100% baseado em dados reais de organizações reais que processam entre 2.8 e 188 milhões de transações por mês. “A constatação das informações apontadas no relatório só foram possíveis graças ao uso de Inteligência Artificial e Machine Learning para checar cada uma dessas transações em escala, de modo preservar a segurança e a rentabilidade das organizações”, conta o executivo da F5.

Segundo Kleython Kell, outro dado que o relatório apontou e que merece destaque, é o fato de que as verticais ligadas a finanças (bancos, cooperativas, seguradoras etc.) apresentam os menores índices de tráfego automatizado (Bots) em seus sistemas. “Esse é um setor maduro tecnologicamente e que possui processos em constante atualização. Isso explica o uso de soluções para mitigar esse tipo de ameaça”, reflete Kell.

De acordo com o documento , apenas 0,1% do tráfego das seguradoras, 0,5% dos ambientes dos bancos e 0,8% dos sistemas das cooperativas financeiras são formados por Bots.

Kleython Kell esclarece que o estudo da F5 analisa a presença de Bots a partir dos pontos de acesso do usuário e que isso inclui mapear o que se passa quando um consumidor acessa uma página Web a partir de um computador desktop, via browser, e qual a realidade de quem interage com uma determinada empresa a partir de seu smartphone, via Apps. “Cresce a cada dia a opção por realizar acessos a partir do smartphone, por meio de Apps”, diz Kell.

“Embora essa tendência permeie a maior parte das verticais foco deste relatório, novamente o destaque fica por conta do setor de telecom. O estudo mostrou que 44,6% dos acessos via Mobile Apps às operadoras são formados por Bots”, enfatiza o executivo da F5.