Individualização de Água em Condomínios: Sustentabilidade em Foco

Compartilhe essa matéria

A individualização de água em condomínios é uma prática sustentável e equitativa que permite a cada unidade habitacional pagar pelo seu próprio consumo hídrico. Em essência, o sistema desvincula o morador do pagamento coletivo e proporcional, focando na responsabilidade individual.
Individualização de Água em Condomínios

Benefícios e desafios da individualização de água em condomínios

A individualização de água em condomínios é uma prática que vem ganhando destaque na busca pela cobrança justa do consumo das unidades privativas. Ao separar o consumo por unidade habitacional, cada morador passa a ser responsável apenas pelo que efetivamente consome. Essa medida não somente promove uma cobrança mais justa, mas também incentiva o uso consciente dos recursos hídricos, contribuindo para a preservação ambiental.

O objetivo deste artigo é explorar os benefícios e também os desafios que envolvem a implementação desse sistema. Enquanto a economia e a equidade surgem como vantagens claras, os obstáculos técnicos e financeiros, especialmente em edificações mais antigas, requerem atenção especial e planejamento cuidadoso para sua viabilização.

O que é a individualização de água em condomínios

A individualização de água em condomínios é uma prática sustentável e equitativa que permite a cada unidade habitacional pagar pelo seu próprio consumo hídrico. Em essência, o sistema desvincula o morador do pagamento coletivo e proporcional, focando na responsabilidade individual. Para operacionalizar isso, cada apartamento é equipado com um hidrômetro individual, e uma empresa especializada é responsável por realizar as leituras mensais e apontar a cobrança de acordo com o volume de água consumido por cada unidade.

Esse método não só promove a justiça na distribuição dos custos, mas também incentiva o consumo consciente de água, pois cada condômino tem a visibilidade e o controle do seu próprio gasto. Portanto, a individualização de água em condomínios é mais que uma medida administrativa; é uma postura alinhada à sustentabilidade e à transparência nas relações condominiais.

Leia também – Convenção e Regimento do Condomínio: Como Criar Regras Adaptadas a Cada Condomínio

Estatísticas sobre a individualização de água em condomínios

Apesar da Lei 13.312/2016 ter sido projetada para estimular a equidade e a sustentabilidade no uso da água em condomínios, os números apontam para uma adesão tímida. Ainda é tímida a porcentagem de condomínios que dispõem da individualização do consumo de água, permitindo que os moradores paguem exclusivamente pelo que consomem. Essa medida não apenas promove uma cobrança mais justa, mas também incentiva a economia de um recurso tão valioso.

Em pesquisa realizada pelo SíndicoNet, com mais de 2 mil síndicos de todo Brasil, apenas 33% dos condomínios têm individualização de água. E, dos que não têm, 14% dos condomínios que ainda não adotaram essa prática estão planejando a instalação de hidrômetros individuais. Tal movimento sinaliza uma crescente conscientização sobre a importância de uma gestão hídrica mais eficiente e equitativa em ambientes residenciais coletivos.

Mais de um terço da população brasileira, cerca de 80 milhões de pessoas, reside em condomínios, segundo o INCC (Instituto Nacional de Condomínios e Apoio aos Condôminos) . Esse número vem crescendo significativamente nos últimos anos: em 2016, eram 420 mil condomínios, e agora, em 2024, já ultrapassam os 520 mil, um aumento de 24% nos últimos 8 anos, desde 2016.

Com o aumento do número de condomínios, cresce também a demanda por síndicos profissionais que saibam como gerir um condomínio de forma eficaz e dentre elas tratar a individualização de água de forma inteligente, justa e sustentável. Um profissional capaz de administrar os recursos financeiros e todas as demandas de um condomínio.

O benefício da individualização de água

A individualização do consumo de água em condomínios é um passo crucial rumo a um estilo de vida mais sustentável e consciente. Esta prática não só promove a justiça social, pois cada unidade é responsabilizada pelo próprio gasto, mas também acarreta em economia financeira para o coletivo. Ao adotar medidores individuais, moradores são incentivados a reduzir o desperdício, uma vez que o pagamento é proporcional ao que realmente consomem. Além disso, a individualização pode ser um forte aliado na detecção de vazamentos e no combate a fraudes, otimizando a gestão de recursos do condomínio. Em última análise, essa medida não só favorece o bolso dos condôminos, mas também valoriza o empreendimento em um mercado imobiliário cada vez mais atento à eficiência e sustentabilidade.

Lei de obrigatoriedade da medição individual de água

A obrigatoriedade da medição individual de água em condomínios novos é uma realidade no Brasil desde a sanção da Lei Federal nº 13.312/2016. Esta legislação representa um marco para a gestão hídrica em áreas residenciais, impondo que todas as novas unidades habitacionais ofertem infraestrutura para que o registro do consumo de água seja realizado de maneira individualizada. Tal medida visa incentivar o uso responsável e eficiente dos recursos hídricos, alinhando-se com diretrizes de sustentabilidade e responsabilidade ambiental. A lei não apenas estimula a consciência sobre o valor da água, mas também promove equidade, assegurando que cada residente contribua de acordo com sua utilização deste recurso.

Legislações sobre a individualização de água

A individualização de água em condomínios é mais do que uma medida de justiça na cobrança, é uma ação de sustentabilidade. O Projeto de Lei 551/2003 e o Decreto Municipal 8116/2007 são pioneiros ao exigirem hidrômetros individuais em novas edificações. Essa medida tem mostrado resultados expressivos, com redução de até 40% no consumo e nas contas de água dos condôminos, e em alguns casos, essa economia alcança 60%.

Os benefícios ambientais são incontestáveis, pois promovem um consumo mais racional da água e facilitam a detecção de vazamentos. Os municípios também podem e devem ser protagonistas na implantação de políticas sustentáveis, orientando a comunidade para práticas mais conscientes e ecológicas.

Conclusão

Embarcamos juntos numa jornada onde está em foco a individualização do consumo de água em condomínios. Vemos que essa medida é mais do que um simples ajuste na infraestrutura – é um ato de justiça social e um passo em direção à sustentabilidade. Ao adotar a individualização, cada morador se torna responsável pelo que consome e é incentivado a zelar por cada gota de seu consumo.

Além do impacto positivo no bolso, que pode chegar a uma economia de até 40%, a individualização favorece o meio ambiente, promovendo um consumo mais consciente e a preservação dos nossos recursos hídricos.

Por: Redação